Método Konmari: 6 dicas para organizar seguindo os passos de Marie Kondo

Por -

Sempre muito simpática e com um sorriso no rosto, a japonesa Marie Kondo conquistou o mundo com seu trabalho de organização de lares. E você muito provavelmente já deve ter ouvido falar nela.

Isso porque recentemente Kondo lançou uma série na Netflix chamada “Ordem na Casa, com Marie Kondo”.

Marie também é autora dos best-sellers “A Mágica da Arrumação” e “Isso me traz Alegria”, chegando a alcançar o titulo dos 100 livros mais influentes da revista Times de acordo com a opinião dos leitores.

Mas o que, afinal, tem de tão especial assim o trabalho de Marie Kondo? 

É isso que vamos te contar nesse post. Vem ver.

O que é o método KonMari

Marie Kondo

O método KonMari faz referência ao nome da sua criadora, Marie Kondo.  O grande diferencial do método de Kondo é a forma como ela propõe que as pessoas lidem com os objetos e as emoções e sensações atribuídas a eles.

Marie propõe um desapego real e verdadeiro de tudo aquilo que não serve mais. E a parte mais interessante de todo esse processo é que antes de realizar a faxina externa, inevitavelmente as pessoas são convidadas a realizar uma limpeza interna, resignificando e atribuindo novos significados e valores a própria vida e, consequentemente, a casa em que habitam.

Ou seja, não é só mais um método de limpeza. É um conceito de organização que precisa fluir de dentro para fora para fazer efeito. Praticamente uma terapia!

6 passos para aplicar o método KonMari

Para aplicar o método KonMari na sua casa e na sua vida é importante seguir alguns passos que a própria criadora ensina. Veja quais são eles:

1. Arrume tudo de uma vez

Arrume tudo de uma vez

A maioria absoluta das pessoas tem o hábito de realizar faxina e arrumação por cômodos. Arruma o quarto, depois a sala, depois a cozinha e por aí vai.

Mas para Marie Kondo essa ideia deve ser desprezada. Em seu lugar, adote a prática de arrumar tudo de uma única vez. 

Sim, é mais trabalhoso. Sim, exige mais comprometimento. Mas lembre-se que esse método vai além de organizar objetos, ele é uma forma de praticar o autoconhecimento e todo mundo sabe que esse nem sempre é um caminho fácil.

Por isso, mande a preguiça embora e reserve um (ou mais) dia para colocar a casa em ordem, literalmente. 

Além do trabalho interno, essa técnica de organizar tudo de uma vez também tem outro objetivo importante: reunir objetos semelhantes que estão espelhados pela casa. 

Muitas vezes itens como fotos, papéis, documentos, livros e CDs, por exemplo, estão por todos os lados e isso cria desordem e atrapalha a localização desses objetos quando você precisa deles.

Portanto, a dica é abrir um espaço (pode ser o chão da sala) para reunir todos (todos!) os seus pertences.

Depois de ter feito isso você pode partir para próxima etapa.

2. Crie categorias

Crie categorias

Com tudo o que você tem visível aos seus olhos comece a criar categorias para facilitar a arrumação. Marie Kondo sugere que sejam criadas cinco categorias principais:

  • Roupas
  • Livros
  • Papéis e documentos
  • Itens diversos (komono)
  • Itens sentimentais

Por roupas entenda tudo o que você usa para se vestir e vestir sua casa, indo desde camisas e calças até lençóis e toalhas de banho.

Dentro da categoria roupas, Marie orienta a criar subcategorias como roupas de cima (camisetas, blusas, etc), roupas de baixo (calças, saias, bermudas, etc), roupas para serem penduradas (jaquetas, camisas sociais, ternos), vestidos, meias e peças intimas, roupas de esporte, roupas de eventos e festas, sapatos, bolsas, acessórios e bijuterias. Crie também uma subcategorias para as roupas de cama, mesa e banho.

Separou tudo? O próximo passo são os livros. Divida-os também em subcategorias, como livros de entretenimento (romances, ficção, etc), livros práticos (receitas e estudos), Livros visuais, como os de fotografia e, por fim, as revistas.

A próxima categoria é a de papéis e documentos. Inclua aqui os documentos pessoais de toda a família (RG, CPF, CNH, títulos eleitorais, carteira de vacinação, carteira de trabalho, etc), holerites, seguros, certidões de nascimento e casamento, além de manuais e garantias de produtos, comprovantes de pagamentos, recibos, talões de cheque e o que mais tiver em casa. Vale procurar papéis e documentos dentro de bolsas, mochilas e até no carro. O importante é reunir tudo.

Depois vem a categoria de itens diversos, chamada por Marie de komomo, uma palavra em japonês que significa “pequenos objetos”. Aqui você inclui itens de cozinha, eletrônicos, maquiagem e produtos de higiene, ferramentas, objetos de lazer, como jogos, por exemplo, entre outras coisas.

Por fim, mas ainda sim muito importante, vem os itens sentimentais, aqueles mais difíceis de ser desfazer. Entram nessa categoria as fotos de família, cartões postais, cadernos, agendas e diários, bibelôs de viagens, peças que ganhou de presente e tudo mais que tiver um valor especial para você ou alguém da sua família. 

Todos os montinhos foram feitos? Então pule para o próximo passo.

3. Sinta alegria 

Sinta alegria 

Esse provavelmente é uma das etapas que mais caracterizam o método KonMari. O objetivo nesse passo é fazer com que você sinta cada item que tem guardado em casa. 

Marie Kondo ensina que é preciso segurar cada objeto nas mãos, olhar para ele e sentir. 

Mas sentir o quê? Alegria! Basicamente é isso que Kondo espera que as pessoas sintam a segurar um pertence pessoal.

Se esse sentimento vir a tona é sinal de que você deve e precisa ficar com o objeto em questão, mas se ao segurá-lo a sensação for de indiferença ou de algo negativo, o melhor é se desfazer. 

Para Marie Kondo as pessoas devem ter em suas casas e em suas vidas somente aquilo que traz alegria, simples assim. Todo o resto pode ser descartado (leia doado).

E uma dica da criadora do método: comece a fazer essa triagem pela ordem de categorias mencionada anteriormente, começando pelas roupas. Os itens sentimentais são os mais difíceis de desfazer, portanto, devem ficar por último, depois que você já “treinou” com os outros objetos.  

4. Agradeça e se despeça

Agradeça e se despeça

Após analisar cada um dos seus objetos, você deve decidir o que fica e o que vai a partir da sensação que eles causaram.

Aqueles pertences que não despertam alegria ou outro sentimento positivo devem ser encaminhados para doação (se estiverem em boas condições), para reciclagem (se for o caso) ou, em última das hipóteses para o lixo (se não tiver outro jeito).

Só que antes de colocá-lo para fora de casa, Marie ensina a realizar um pequeno ritual de desprendimento.

Para isso, você deve colocar o objeto entre as mãos e, em seguida, com um gesto simples e objetivo, agradeça pelo tempo em que ele lhe foi útil. Nesse momento então o objeto está pronto para ser descartado.

Marie Kondo explica que esse gesto de agradecer ajuda as pessoas a se libertarem de possíveis sentimentos de culpa e pela frustação de estar se desfazendo de algo. 

5. Descartar para organizar

Agora que você já separou e descartou tudo o que precisava, chega a hora de se preparar para organizar. Ou seja, colocar o que sobrou de volta ao lugar. 

Para isso, o método KonMari ensina que os objetos devem ser agrupados por categorias (como você já deve ter feito nos passos anteriores) e guardados juntos. 

Para Marie, a essência de uma casa bagunçada está no fato de que as pessoas se preocupam mais com a facilidade de achar o que procuram do que guardar com facilidade o que tem nas mãos. Por isso, o mais importante é saber exatamente como e onde guardar cada coisa e não o contrário.

6. Organizar é diferente de guardar 

Outra etapa muito importante do método KonMari é saber diferenciar “guardar” da “arrumar”. Uma casa que tem apenas objetos “guardados” não é necessariamente uma casa organizada, basta lembrar os armários avalanche que existem por ai.

A arrumação, ao contrário, é manter tudo do modo mais organizado possível.

Um dos grandes exemplos de arrumação do método KonMari é o de roupas. Marie ensina a arrumar as peças do armário dobradas em formato retangular e organizadas na posição vertical, ou seja, elas ficam uma ao lado da outra, como livros expostos em uma biblioteca, ao contrário, da arrumação horizontal tradicional, onde as peças são mantidas uma em cima das outras. 

No método proposto por Kondo, as peças ficam todas visíveis ao passar dos olhos e você consegue pegar qualquer uma delas com muita facilidade sem precisar desmontar uma pilha inteira de roupas.  

Mantenha a organização

Depois de todo o trabalho para organizar a casa é muito provável que você deseje mantê-la assim. 

Por isso, Marie orienta que tudo o que foi usado deve voltar para o local de origem. 

A cozinha e o banheiro devem ser os cômodos mais funcionais e organizados da casa. Isso significa que os únicos objetos que devem estar expostos são aqueles usados no dia a dia. 

A simplicidade é outro fator chave para manter a organização. Quanto mais simples você conseguir deixar a sua casa no sentido de realização de tarefas, mais fácil será manter a organização.

E então pronto para colocar o método KonMari em ação aí na sua casa?